04/08/2015 Número de leitores: 1409

Lulinha paz e amor

A. Zarfeg Ver Perfil

Era um menino cubista

(Nada a ver com petista)

 

De perto, era uma esquina movimentada

 

De longe, uma curva de estrada ou um braço de rio

 

Como disse, era cubista

(Não confundir com cientista)

 

À vista, pintava a paz na parede da sala de estar

 

A perder de vista, misturava horizonte com fim de mundo

 

Um menino cubista, sim, senhor!

(Tudo a ver com oculista)

 

De perto, estranho como todo mundo e, mais,

inventava  o amor de uma maneira mui original:

 

um pedaço de amor/a! 

A. Zarfeg