08/08/2015 Número de leitores: 1583

Nosso pai

A. Zarfeg Ver Perfil

Nosso pai era prático como o dia e a noite, firme como o vinhático, macho pro que desse e viesse.

 

Pegar touro pelo chifre? Estava pronto.

 

Acalmar tempestades? Só se fosse agora.

 

Um homem (pra ser completo) precisa ser temente a Deus e, depois, senhor da natureza. Pois nosso pai era.

 

“Desaforo pra casa só levei u’a vez na vida, mesmo assim fui bem-recebido”, orgulhava-se.

 

O que faltava a nosso pai pra ser feliz da conta? Um milagre? É pra já!

 

Cevou o trecho do córrego bem cevadinho por sete sóis, sete luas e um cento de mandioca puba.

 

Preparou a armadilha com paciência de Jó e, em seguida, dormiu o sono dos justos. Deu-se, então, a multiplicação dos peixes.

 

Aquelas maravilhas de piaus fizeram a fama do nosso pai! 

A. Zarfeg