14/08/2015 Número de leitores: 1515

Catando pedras no caminho

A. Zarfeg Ver Perfil

I

As pedras estão por toda parte:

Castelos

Ruas

Armaduras e belas artes.

 

Que podemos em face de tanta impessoalidade?

Nosso abraço, ainda que de amor,

Resistirá às chamas pétreas?

 

Seu silêncio imemorial absorve o grito,

O clamor da multidão,

Até nosso sussurro mais (in)discreto.

 

Nós, Bita, somos nada perante a

Coisa em si da pedra pedra pedra.

 

II

Vamos atirar pedras no redemoinho

Vem comigamigo!

Vamos inaugurar moinhos de vento

Cavalgar peraus

Vamos semear esse vale de lágrimas

Vem correr perigo!

 

III

Existe arte mais digna do

Que catar, lapidar pedra?

Contudo alguns preferem

Defenestrar pecuaristas

Captar silvos de cobras

Domesticar marimbondos

Profetizar em via pública

Calcular voo de passarinho

Amedrontar vaca parida

Municipalizar nós górdios

Posar com mão no peito

Contar pedras in natura

Filosofar a vau no leito!

 

IV

Bita, Binas, Belão:

Por que todos riem,

Só vosmecês não riem?

Ri, Bita! Ri, Bita!

Ou toma essa birita!

 

V

Pedra oca. Carranca. Inscrição.

Não ficará pedra sobre pedra!

Atire uma pedra ou dê um peido!

A face oculta da pedra filosofal:

Não só de palavra vive o poeta!

 

VI

Você se fez pedra, lenda viva

Ausência-lembrança-presença

O coração ainda pulsa, sabia?

A ponto de explodir vermelho

Inundando a várzea baianeira

O coração, que não é de pedra,

Se espraia no poema, encantado.

O que persiste no caminho –

A medrar entre ervas daninhas

E pedros – é vida, é rebeldia.

 

VII

Bita estreitava o dia:

Dava nó em pingo d’água

Sem se molhar

Malinava com fogo

Sem se queimar

(Xixi na cama jamais!)

Chutava pedras ao léu

Sem se machucar

Ia de déu em déu: se

Impunha à gurizada

Pedras voavam em

Todas as direções

(Ele escondia a mão!)

No final das contas

Sobrava até pro palhaço:

(O que é? O que é?)

Ladrão de mulher!

 

VIII

Para com wilson, deixa dilson

Jamais iludas o bom selvagem

Não te entregues à 1ª vadiagem

Celebra a emancipação bucólica

Sem pompa nem dissimulação

Se for preciso, mergulha fundo

Atento às pedras no caminho

Se caíres, levanta-te supremo

(Um ser de energia e bondade)

Não sejas um bovino patriota

Indiferente à ação das traças

Nem ignores a idade da pedra

 

IX

Erigir um país sobre

Pedra

Ferro

Areia

Fá-lo uma nação?

 

Moldar uma massa sobre

Princípios

Zelo

Suor

Fá-la um povo?

 

X

No meio do Água Preta

Tinha uma pedra oca...

A. Zarfeg