18/08/2015 Número de leitores: 1220

Capítulo 27

A. Zarfeg Ver Perfil

Mais uma coisa: tem coisa pior do que mito? Qual o maior mito americano? Pode me responder, DB? E você, pequena Phoebe, sabe qual é?

 

Quer saber? Não importa. Mas que, no final das contas, tudo vira mito, ah, isso é verdade. Na moral.

 

Pode apostar também que esse assunto continua incrivelmente entediante, o próprio tédio em pessoa. Portanto, vamos parando por aqui com esse papo metido a besta!

 

Mas que tudo vira mito, vira. Tem coisa mais mítica do que a sinceridade? A mentira, DB? Elvis? A guerra? A educação como solução de todos os problemas, inclusive os sexuais? Francamente, acho isso um saco.

 

O sexo é o maior mito da adolescência? Agora, acho que estou confundindo mito com tabu. Culpa dessa minha cabeça de cretino. Deixa pra lá. É mole?

 

Não leve a sério os disparates do maior herói do Pencey! No que fui me meter! Tudo porque eu só queria ser eu mesmo na droga da minha vida! Filho da mãe!

 

Agora, estou com peninha de mim mesmo. Puxa! Aliás, estou com peninha de todos os imbecis do planeta. Buá! Acho que a gente se entende. Né não?

 

Agora bateu uma saudade filha da puta de tudo que vivi, da gostosa da Jane Gallagher, do cretino do Stradlater, de tudo que passei nas últimas 48 horas. Certo, professor Spencer? Só um filme de terceira para expressar a minha solidão. Que tal, DB? O safado ainda ri na minha cara!

 

Deixa pra lá. Faz de conta que eu não disse nada e você não escutou coisa alguma. Mais sinceridade, menos falsidade. Assim tá de bom tamanho. Agora me deixe em paz, família!

 

A. Zarfeg