17/10/2015 Número de leitores: 702

haicais / vivian de moraes

Vivian de Moraes Ver Perfil

 

haicais

vivian

de moraes

 

 

 

 

1ª edição

-

Rio de Janeiro

Vivian Aurora de Moraes Bragagnolo

2013

-

Ficha Catalográfica

Bragagnolo, Vivian Aurora de Moraes. haicais: vivian de moraes / Vivian de Moraes. Rio de Janeiro: Singular Gráfica e Editora Ltda,   2013.

ISBN 978-85-912742-2-2

1. Poesia brasileira. I. Título.

CDD 869.915

-

ao meu irmão Júnior

-

Agradecimento especial

a Mazzon Gil pela arte

-

Agradecimentos pela viabilização deste livro

Maria Fernanda Pinheiro

Simonetta Sandra Paccagnella

Assis Furtado

Pryscilla Carvalho

Renata Melo

José Eduardo Oliveira (Vermelho)

Felippe Dal Santo

Oscar Francisco de Moraes

Adriana Silva

Sarah Cedroni

Val Diniz

Ariadine S. Lechner

Nelsinho França

Alexandre Akashi

Eunice Rebelato

Natalia Bisio


Apresentação

 

atitude

beijar

mais amiúde

 

Oriundos da tradição japonesa, os haicais são pequenos poemas, de apenas três versos e que devem guardar, nesse bojo de aparente economia, um mundo infinito de sugestões e de leituras possíveis, geralmente a partir de observações da natureza. São fotografias feitas de palavras. Vivian de Moraes, depois dos excessos catártico-poéticos realizados em “Sonetos Sombrios” e o contraponto claro de “Poemas e Canções”, parece buscar agora, no rigor e na simplicidade dos haicais, um ponto assegurador e articulador para sua escrita. Se antes havia o desejo de aprisionar pesadelos dentro da forma solidificada do soneto (a escritora optou mais uma vez por enquadrar sua verve poética em uma forma fixa), agora a poesia de Vivian constroi o avesso do esperado: é o espetáculo da vida cotidiana e dos pequenos mistérios [que apenas um olhar muito atento pode captar] que está, não aprisionada, mas transbordando de maneira singela e poética em cada haicai. Alguns poemas realmente inspirados funcionam como pequenos acidentes poéticos e cotidianos, ou como diria Caio Fernando Abreu, “pequenas epifanias”, pequenos insights que nos resgatam da solidez e da mecanicidade do dia a dia. A dicção confessional ainda continua, mas, talvez dessa vez, a poeta soube construir um muro (ou um portãozinho) poético entre seu mundo particular e a escrita. A partir dessa perspectiva, Vivian arma sua câmera e tira instantâneos subtraídos do mundo mágico das pequenas coisas. Resta apenas que alguém traga a chave.

 

Claudimar da Silva é estudante de Letras na Unesp/FCLAr

-


haicais

vivian

de moraes

 

ela é bela

s’appelle

belle

*

um mosquito

beijou meu rosto

que esquisito!

 

 

 

 

    

 

carinho

uma intenção

de caminho

*

lírio

para ele

acendo um círio

*

cílios

para eles

crio lírios

*

fascínio

tenho hoje

um vaticínio

*

carinho

uma intenção

de caminho

*

bobagem alheia

entro

e pago meia

*

acordei tarde

sou mais

meia metade

*

poesia

é pra viajar

senão não lia

*

poeta de casa

não faz

rimas

*

meu vô está aqui

não

morreu

*

atitude

beijar

mais amiúde

*

minerais

pedra parada

sais

*

j’ai oublié

comment on dit

ballet en portugais?

*

doce de leite

há quem

se deleite

*

saudade

sem você

sou metade

*

gatos

são objetos de decoração

alados

*

ser contemporânea

é uma forma

litorânea

*

na sociedade

não há

saciedade

*

blusa de lã

quente

como o velocino

*

freud me explicou

que eu sou

como estou

*

alguém voou à nuvem

no voo

andorinhas ouvem

*

árvore morta

uma janela

uma porta

*

absinto

bebo

mas não sinto

*

gosto de animais

de televisão

não gosto mais

*

a professora de balé

a professora de francês

fumam narguilé           

*  

chá de sorvete

ora gelado

ora quente

*

relva verde

sol a pino

sinto sede

*

vento no cabelo

é tão

belo!

*

caber nos bolsos

de um gigante

e achar um diamante

*

pedras preciosas

brilham mais

que as andrômedas

*

anjos colhem flores

eu colho

olhares

*

chuva no rio

admiro, molho-me

e rio

*

adivinho

na névoa

do vinho

*

o sereno

cai

sereno

*

o mar areinha

pedrinhas

conchinhas

*

posso ver

o mar

arderdejar

*

ouvir até enjoar

algo que me jogue

pro mar

*

mon coeur balance

adoro

esse lance

*

dicionários

para que tanto

palavrário?

*

jornalismo da depressão

luzes, câmera

ação

*

au début

comecei

a rir

*

tarde

é como

arde

*

noite

tem açoite de vento

numa moita

*

flocos de nuvem

brancos

contra a fuligem

*

minotauro

dor de ser

ininteiro

*

sem você

eu já sou

alguém

*

quando for a paris

farei

o que sempre quis

*

enquanto estiver em paris

dormirei

num manto gris

*

quando voltar de paris

lhe darei

beijos de miss

*

a torre eiffel ri

porque eu nunca

estive ali

*

doeu nos olhos

olhar o sol

e ser tão só

*

a lua desaba

numa noite

de céu sem abas

*

incenso

quando ouço

penso

*

florbela é muito derramada

eu prefiro ser

uma maria regalada

*

no more tears

disseram ozzy osbourne

e adília lopes

*

o verde da natureza dói

porque grita

porque amarela-se

*

natureza verde

aos meus olhos

derrete

*

posso achar

um ver

verde chá

*

atirando no escuro

acerto

um murro

*

acendo um cigarro

la fumée

me fait oublier

*

mil palavras

para compor

a lavra

*

compor uma barata

devoradora

de inimigos

*

compor uma bravata

caçadora

de amores

*

entre o lado e o meio

existe

o jeito

*

tingir os cabelos

com água

tingir o véu do céu

*

grafite

quem ousar

se habilite

*

eu caio

sobre palavras

saio

*

freud

sorri para mim

e me morde

*

eu pisco para ele

jesus não é

mais aquele

*

lutar

contraria o luto

é astuto

*

indícios

leio

vinicius

*

poema japonês

enquanto canto

esqueço vocês

*

humor

não rima com

pudor

*

motocicleta

uma viagem

esperta

*

aborto não é legal

mas não devia

ser ilegal

*

sanguessuga

sangria morte

e fuga

*

gato

com dor de barriga

come mato

*

deito aos pés

da esfinge

sem decifrá-la, como quem finge

*

j’ai froid

no labirinto

de ariadne

*

appollinaire

alcools

quem quer?

*

baudelaire

na balada

lesbos de ser

*

rimbaud

rio

do seu tambor

*

mallarmé

me deixa

blasée

*

dostoiévstki, fiódor

sinto nos livros

seu odor

*

tolstói

tudo o que é seu

alegra e doi

*

gosto de goiás

porque lá vi deep purple

nada mais

*

tudo acaba

é uma hora

macabra

*

não acho graça no humor

acolho graça

no amor

*

cibele

est

si belle!

*

sorrio como

quem cai

de si mesma

*

ando perdendo haicais

ando pensando

demais

*

o doente mental que dó

arrasta um pé

não é forró

*

condeno os falsos

seus sapatos

não calço

*

dançando bizet

pisei

no meu pé

*

meu professor

morria

nos jardins da academia

*

ponho

cores

no meu sonho

*

rosas azuis

são

meus suis

 *

adoro a madrugada

de fato

ela é danada

*

esquento o frio das mãos

com seu olho gelo seco

tição

*

cinquenta páginas de haicai

digo apenas

ai!

*

as ondas vêm

os olhos

veem

*

ah quanto mar

existe

numa mesa de bar

*

com quantos paus

se faz uma canoa

penso à toa

*

os homens são bonitos

é isso

o que sinto

*

as mulheres são fúteis

não falam

de coisas úteis

*

já te disse bonjour

agora

vai tomar no cu

*

algazarra

é luta

ou farra

*

mascando chiclete

os pés

derretem

*

vazar

carpir

tudo é ir

*

me traz

uma batata

de batatais

*

atualmente

é muito

(s) ódio

*

espiou meus seios

e olhou para mim

com cara de quero

*

caí

gostosamente

ri!

*

j’ai

un coeur

à faire

*

 a gentalha

curte

uma genitália

*

let’s love

amar é

amargo

*

você é luz

é raio estrela

e lugar-comum

*

refazer

fazer rei

fazerei

*

ah o sândalo

beira

o escândalo

*

jaime

j’aime

ton âme

*

quero um desconto

te dou

meu conto

*

noite insone

um gafanhoto

come

*

tudo é belo

perto

do zero

*

gosto de escrever

para depois

cheirar e ler

*

evanildo bechara

suas regras

na minha cara

*

os linguistas

deveriam cortar

suas línguas

*

eu curto os gramáticos

são legais

enfáticos

*

alguém caiu na pedra

no joelho

a dor da queda

*

doida ao sol

sou toda

*

quando esta dança

acabar

vamos fechar o bar

*

achei

que o apito do trem

fosse nota na sinfonia

*

escrever haicais

é gostoso

quero mais

*

leminki

não é inspiração

mas sim o whisky

*

letras da depressão

teoria morta

obsessão

*

filhotes de onça mamam

as tetas

se inflamam

*

na água do riacho

deságua

toda mágoa

*

diva depressão

status:

deitanto terra ao caixão

*

no facebook eu sou

na vida

não sou

*

vou dançar

até o céu se por

de dor no pé

*

toalha fofinha

para minha gatinha

tirar uma sonequinha

*

meus lábios babam

uma água

que se apaga

*

sonhei com um livro

que tinha bordas

de ouro puro

*

não posso esquecer meu endereço

senão

onde vou dormir?

*

tenho tédio

da insônia

uso colônia

*

correr

correr de ré

re-correr

*

beliscão na bunda

uma tara

fecunda

*

 

 

 

salut!

eu

luto

*

luz do céu

descubro

meu véu

 

Vivian de Moraes