21/04/2018 Número de leitores: 347

Retalhos a Granel de Paulo Monteiro, parte 12: “Cego quando vê esmola grande desconfia”

PAULO MONTEIRO Ver Perfil

 

Gente, que tem cheiro forte de esturro penetrando em nossas narinas, nesse circo midiático meticulosamente planejado pelo STF que culminou com o indiciamento do Senador Aécio Neves, tem sim!

 Não interprete errado: não estou dizendo que o indiciamento unânime seja indevido ou injusto. Muito pelo contrário, é mais do que correto, pois hoje, com a óbvia exceção dos petistas e seus similares, até a pulga que se aloja nos costados de qualquer vira-lata de rua nos cafundós ignotos do Brasil sabe que não existem inocentes nem coloração partidária única no charco de suspeitos, continuamente alargado e a cada dia mais fedorento, graças a esse sistema maquiavélico que foi armado no país pelos governos esquerdistas. Enfatizo mais uma vez: esquerdistas ou cúmplices (o que na prática vem a dar no mesmo, pois querer identificar a verdadeira ideologia de corruptos ou de convenientes, matriz ou filial, é tão inócuo quanto tentar achar e identificar o sexo correto de um mosquito no ato da cópula; juntou-se a eles, ficou tudo igual), todos eles são, sim, pois desde o ocaso do regime militar - e mesmo nesse caso existem dúvidas se os governos militares podem ser caracterizados de fato como governos de direita na acepção pura do seu significado em Economia -, o Brasil tem sido continuamente refém de um pacto feito entre esquerdistas radicais e moderados para se entronizarem “ad aeternum” no Poder. Uma trama sinistra que visa garantir aos “privilegiados espertos” a “impunibilidade”, o enriquecimento e o controle imorredouro do país pelas oligarquias elitistas. Um círculo infernal, construído gradualmente com a conivência mercenária de grande parte da Mídia – sobretudo da assim denominada Mídia “mainstream” que controla e manipula a opinião pública no Brasil (precisa dar endereços, ou será melhor dizer “desenhar”?) -, com o sustento garantido pelas “vultosas propinas” das poderosas elites financeiras e com o apoio basbaque de boa parte dos formadores de opinião no país: os intelectuais, os jovens universitários e a classe artística.

 

Uma engrenagem tão asfixiante, da qual tão poucos logram escapar, que transformou o Brasil no país recordista absoluto de Presidentes, Presidentas, Presidantas, Quase Presidentes e Ex-Presidentes depostos e defenestrados. Um feito digno de Guinness, sô! Que vem ocorrendo num espaço de tempo tão reduzido, pra deixar tonto qualquer pacato cidadão menos atento; haja rolar cabeças, num afã digno do Terror de Robespierre, e num ritmo tão frenético que contribuiu ainda mais para afundar qualquer hipótese de normalidade no país.

E o fio da lâmina não quis saber de bairrismos: saiu decepando cabeças de alagoanos, de pernambucanos, de mineiros, de potiguares e de cariocas pra ninguém sair cantando de galo. Quanto a sexos, alegre-se, pois somos também de Primeiro Mundo: não nos esquecemos de privilegiar o sexo feminino pra que não haja reclamação das empoderadas feministas. Menos mal! Pelo menos nisso o Socialismo teve suas utopias igualitárias aplicadas, sim. Se ainda faltou incluirmos o quesito da cor, eis que nos chega uma notícia alvissareira nesse cenário trágico, aleluia! Quem sabe pelo andar da carruagem a gente não perca por esperar, pois já temos candidato negro – desculpa aí, sem a menor intenção de ofender, mas nego-me terminantemente a usar o ridículo eufemismo afro-descendente para me referir a pessoas de cor - em vista para se candidatar ao cargo e à posição privilegiada nessa ciranda, e dessa forma evitar que sejamos conhecidos também por ser racistas. Ora, ora, ora, imagina só! Racistas nós? Racistas são os imperialistas americanos. Só nos faltava mais essa, mano!Vamos fazer uma fezinha gente? Porque aí vai ser a glória pro Brasil. Ser hexa na Rússia é pros fracos. Nós vamos é ser recordistas absolutos no Campeonato de Rola-Cabeça de Presidenciáveis. Não vai ter pra mais ninguém. Melhor do que devolver o “mimo” que ganhamos em pleno Mineirão daqueles “panzers” alemães com saúde de vaquinha premiada. Melhor até do que dar mais uma “ensaboada” nos “hermanos milongueiros” aí do lado.

Com isso, de quebra quem sabe ainda possamos mandar às favas também outros mitos a nosso respeito e calar definitivamente a boca de certos maledicentes que se apóiam numa frase supostamente atribuída ao enfezado General De Gaulle e aproveitam pra tripudiar dizendo que “ce n’est pas um pays sérieux”. Ora, ora. Ora. País sério? É sim! Isso é invenção de gente carrancuda que num entende patavina das idiossincrasias tropicais. Este é apenas um país surreal - e bote surreal nisso - e de muita alegria. É bem verdade que essa tal da alegria tem andado sumida e envergonhada, hibernando por esquinas sombrias e pouco recomendáveis ao senso comum. Mas num tem nada não: já, já o humor e a inventividade, essas características tão nossas, resgatam essa danada que teima em se fazer de madrasta.

 

Se da alegria o tempo tratará de cuidar, no entanto, é pena que prosperidade e economia sigam regras próprias, mais afeitas a um rigor científico e técnico do que propriamente aos humores e veleidades do surrealismo tropical. Valha-nos Deus, então! Desse jeito até o barbudinho celeste vai aposentar aquela camisa verde e amarela que muito neguinho jura de pés juntos que o cara vive vestindo, e, dessa forma vamos ficar entregues à própria sorte, pois tempo algum poderá consertar as cagadas que perseverarmos em fazer desacertadamente e com incompetência nessa seara. Se os efeitos da crise e o fedor de tudo isso que ta por aí ainda não chegou em seu nariz , resta supor que ficou insensível ao mau cheiro insuportável de um país que vira e mexe segue à deriva, presa fácil de oportunistas e políticos populistas da mais baixa extração, encarado com permanente suspeição no grupo dos países progressistas, à margem do grande capital e que, ainda por cima, sobrevive a duras penas das migalhas do espólio a que é submetido pela sanha e pela corrupção de seus líderes governamentais, sendo com isso permanentemente subtraído dos muitos benefícios trazidos pela prosperidade aos serviços básicos e essenciais de Saúde, Educação e Infraestrutura.

 

Pois é. Mas se seu nariz está insensibilizado, sua visão teima em ficar caolha e sua capacidade analítica persiste em permanecer embotada e aferrada ao anacronismo de suas crenças, pode crer que em tal conjuntura, no universo das frias e tecnicistas avaliações de especialistas, poucas empresas arriscarão colocar seu capital sob risco, ou até deixá-lo exposto a tais riscos – logo o Capital, um “cagão” sabidamente pouco afeito a maus tratos e temeroso de qualquer ameaça a seu livre florescer? Ô louco! Identicamente, qual o cristão e empreendedor com uma informação razoável da realidade e um mínimo de bom senso que ousaria se arriscar a algo numa arapuca dessas, armada para tentar aplacar a insaciável voracidade estatal? Só os poucos, loucos ou muito ousados, os pouquíssimos mais bem preparados e bem sucedidos, os malabaristas que conseguiram driblar a indecente carga tributária necessária para sustentar o sempre ávido mostrengo estatal e a paquidérmica burocracia que a acompanha, os “apadrinhados”, sempre com aquele QI elevado que todos nós estamos carecas de saber, os desinformados eternamente ao sabor da corrente e os que, por se encerrarem dentro das estreitas fronteiras do minúsculo mundo que enxergam, julgam não ter mais nenhuma opção. Por que, quem pode cai fora dessa canoa furada. Quem não pode – e esses a maioria, obviamente - prefere se abrigar convenientemente sob o manto perversamente “protecionista” do mostrengo.

 

Com isso engordam essa engrenagem estatal cada vez mais mastodôntica, voraz e predadora – na inversa contrapartida da qualidade de serviços que oferece - e retroalimentam o sistema vicioso de corrupção, que se faz necessário e é vital para sustentar o mostrengo jurássico e para garantir a uns poucos, mais espertos, o acesso ao poder e a tais benefícios.

 

Esse é o “paraíso” Socialista, que ainda se sustenta pelo idealismo e pela ilusão ou pela ingenuidade de alguns, mas, sobretudo, pelo egocentrismo e orgulho obstinado de muitos, que se negam a enxergar o óbvio e corrigir nem que seja um milímetro sequer o foco de suas crenças. Gente que prefere continuar defendendo com unhas e dentes suas posições, nem que para tal precise apelar para qualquer argumento vil e baixo. Gente que insiste em endeusar os canalhas que são os principais responsáveis por tal situação e defendê-los nem que para tal precise manipular e destruir qualquer verdade e as evidências mais gritantes. Gente tão ensandecida e inebriada pela sedução hipnótica do Mal que ainda tem a cara de pau de querer confrontar quem queira lançar nem que seja uma frágil corda de arrimo para ajudar seu irmão a enxergar com mais clareza e a sair desse charco a que querem nos lançar e condenar. São pessoas como essas, mais até do que as forças diretamente envolvidas no conflito global em que o mundo está sendo lançado – e não pense um segundo sequer que o Brasil e fatos regionais como o petismo, Lula, corrupção e a atuação diabólica das milícias esquerdistas sejam fenômenos isolados e só ocorram no Brasil; são simplesmente peças a mais, talvez até específicas, mas inseridas num jogo muito maior, muito mais grave e ambicioso – que garantem a sustentação e o acirramento desse conflito.

 

Um verdadeiro Sanatório Geral, metodicamente arquitetado e colocado em execução, todo ele centrado no viés esquerdista e obviamente insuflado pelos interesses obscurantistas e pelo esforço contrário da “tribo de lá”. Ou você tem alguma dúvida de que o povo do Mal tem o máximo interesse em se aliar e inspirar quem tenta deturpar a verdade apelando para literalmente qualquer argumento, com quem não hesita em usar qualquer arma para fazer valer seus interesses que, no frigir dos ovos, apenas contribuem para manter o “status quo” de atraso, miséria e desordem que são tão “sintônicos” com seus objetivos? Ou você duvida que só é possível explicar tal obstinação hipnótica por obra de uma persuasão e uma sedução claramente demoníacas? Ou você duvida que eles sempre tentarão desqualificar, a qualquer custo, qualquer um que intente dizer a seus irmãos que não temos necessidade de continuar patinando e chafurdando na lama da miséria, da corrupção, da bandidagem, do atraso e que existe um mundo muito melhor para lá dos horizontes que cada um construiu para si – um mundo que se resume à estreiteza do tamanho das informações e da visão que possuem - e que existem alternativas muito mais viáveis para nos levar a esse “upgrade”.

 Mas, deixa pra lá. O tempo deles também vai passar. E essa mentalidade “esquerdista” obtusa vai passar (gente, vocês já perceberam como é gostoso demais usar os termos um dia usados pelos comunas nesses artigos? São os chamados orgasmos múltiplos!). Se o cavernoso do Bin Laden, aquele nojento sanguinário do Pol Pot, e os truões pomposos com as mãos cheias de sangue que foram o Gaddafi e o Idi Amin Dada passaram!... Se nem o “gente fina” do Barack Obama foi poupado, coitado, e até as trevas da Idade Média  que duraram quase dez séculos passaram, por que é que essa patacoada Socialista e/ou a praga Marxista não vão passar? Vão sim. Apesar de você e da genialidade da sua música, viu Chico?

Por que, meu caro amigo, eu quero lhe dizer um segredo: o Socialismo não funcionou na Rússia, não funcionou na China, não funcionou em Cuba, não funciona na Venezuela e não funcionará em Marte.

  Pois é gente! Desmantelar essa engrenagem e as malformações ideológicas decorrentes desse sistema criminoso é tarefa hercúlea. Uma parte do desmanche, alimentado por décadas de “engorda” em pasto fértil –, particularmente a que envolve os aspectos juridicamente criminosos dele decorrentes - tem cabido à figura predestinada de personalidades como o Juiz Dr. Sérgio Moro e seus auxiliares e coligados. Rezemos fervorosamente pelo sucesso de seus esforços, e, mais do que isso, empenhemo-nos afincadamente em contribuir, apoiar e ajudar no que for possível a esses bons anjos. Contudo, vai um lembrete sempre útil: reza sem cooperação pouco resolve. Rezar e cooperar é o mínimo que nos compete se quisermos nos intitular como patriotas.

 

Mas a parte mais substancial e certamente a que será mais lenta e complexa, só cabe a nós. Aquela que envolve a luta contra a perniciosa mentalidade “esquerdista” que foi disseminada no país. Veja bem: refiro-me à mentalidade “esquerdista”, não propriamente às ideias de “esquerda”. São coisas radicalmente diferentes, caso ainda não tenha percebido. Embora, como liberal convicto, seja contrário na essência ao ideário de “esquerda”, é justo reconhecer, sim, que existem princípios advogados pela esquerda que devem ser ampla e abertamente discutidos e, sem sombra de dúvida, adotados no país que todos idealizamos. Já a mentalidade “esquerdista”, a atitude inversora, manipuladora, fascista, hipócrita, canalha e corrompida que reveste o procedimento de muitos “esquerdistas” e que está profundamente plantada no país, essa precisa ser radicalmente banida. Urgente! Tolerância zero para com ela.  

 

Ajudar a erradicar de nosso seio essa mentalidade criminosa é a verdadeira parte que nos toca a todos nesse latifúndio chamado Brasil, após anos de omissão e indiferença. É o preço que todos precisaremos pagar por tal conluio, ou por termos feito vista grossa a esse crime. Por falta de aviso não foi. Independentemente da ideologia que tivermos, diga-se de passagem. Sim, por que a mentalidade “esquerdista”, comum a todos os militantes petistas e seus sequazes e coligados não tem ideologia. Tem cartilha! E com isso eles se transformam apenas em pobres diabos fanatizados e robóticos que sequer merecem qualquer rotulação ideológica séria. Ah! Sim, há quem os chame de comunistas. Ou de “neonazistas”, de direita ou de esquerda. Ou de “protofascistas”, idem. Whatever. Com o perdão da expressão, a “bosta” é a mesma.

 

Mas, voltando ao tema, que a divagação, embora esteja profundamente ligada ao tema, já vai de bom tamanho: que tem armação da pesada e com objetivos bem delineados por trás dessa fuzarca toda, com o aval do STF, tem sim!

 

É só relembrar os ditados populares, aquele velho e tradicional manual de ajuda fundado no bom senso e na experiência dos mais antigos: “cego quando vê esmola grande desconfia”. BINGO!

 

Em surdina, enquanto a gente festeja, eles aproveitam a cortina convenientemente anestésica da natural euforia que plantaram para continuar maquinando de acordo com os objetivos bem claros de boa parte deles: preservar a bandidagem e todos os corruptos que estão controlando o Poder no Brasil. São manipuladores natos e arteiros

Porque não se iluda um segundo sequer com tamanha bondade eventualmente referendada por esses ilustres togados que hoje controlam o STF, pois quase todos eles foram ali colocados por indicação (preste bem atenção na palavra sublinhada) dessas mesmas personalidades que hoje, como um efeito dominó, estão sendo coercitivamente levadas a espiar seus pecados. Antes que você ache a palavra coercitiva um tanto forçada, não deixe de recordar quantos condenados pegos por um Judiciário ainda íntegro e honesto que existe neste país – não duvide disso, ele existe, sim – foram logo em seguida liberados ou tiveram suas penas largamente suavizadas por alguns desses mesmos togados, que agora, como num passe de mágica, resolveram dar um bombom embrulhado em papel de seda pra adoçar a sanha já agora inflamada da “negada” – nós! De forma que, não precisa ser um Einstein pra deduzir que tem “boi na linha”, mais uma vez. E esse boi já ta até ficando magrinho de tanto ser surrado e usado pra tais fins.

 

Duvida? Dá uma olhadinha no que eles urdiram, enquanto nós festejamos!

 

“Reinaldo Gusmão Hort

@reinaldogusmao

 

Gilmar Mendes, Toffoli e Lewandowski acabam de rasgar a Lei da Ficha Limpa: Ex- senador Demóstenes Torres já pode se candidatar.”

 

Bem, voltando aos velhos provérbios populares: “Cesteiro que faz um cesto faz cem”

 

Sacou? Pois é! Nada como sacrificar um peão inútil ao jogo, de alguns deles pelo menos – um excelente “boi de piranha”, convenhamos, já utilizado em outras oportunidades com resultados mais do que satisfatórios (eita, boi mais útil, esse!); não que o boi não mereça ir pro abate. Eu não falei isso. Mas que o boi tá só nas costelas de tanto ser usado pra servir às piranhas – nós, a opinião pública – com o auxílio de açougueiros safos e a mãozinha perversa de cérebros ardilosos, - tá lembrado? - e aproveitar a natural pirotecnia da opinião pública, flagrante em todas as redes sociais, para dar prosseguimento ao xadrezinho rasteiro que os move – ou pelo menos o que move boa parte deles - tá sim mano. Ainda mais que, por tabela, alguns deles disfarçam momentaneamente as garras aduncas de aves de rapina e desanuviam a óbvia pressão a que vêm sendo submetidos não apenas por nós, as ávidas piranhas da alegoria, mas também por dedos e dentes bem mais afiados e mortíferos do que os nossos. Dentes que pertencem a Forças certamente bem menos “maleáveis” e mais atemorizadoras para eles – ou parte deles - do que nós, meras “buchas de canhão”, na provável avaliação deles. E, não duvide: essas forças eles temem, e muito! Não terá sido por outra razão que mandaram esse recado bem “pianinho” pra galera! Pois é!

 

Mas, deixa pra lá. Do amanhã quem cuida é a Providência Divina. E Essa, amigo, não falha jamais, por mais que nosso curto entendimento e nossa proverbial arrogância não A compreendam ou Dela duvidem!

 

Por isso, o momento é de folguedo e de aliviar as pressões a que essa situação caótica e essa profunda crise de valores nos têm conduzido. Festejemos, pois! Mais longe já estivemos. E olha que o precipício já esteve a escassos centímetros de nossos passos.

 

E que a farra foi um barato que só brasileiro consegue vivenciar despudoradamente, é inegável. Longe de desejar ou de tripudiar sobre a desgraça de alguém – seja ele de que partido for – algo que pessoalmente não nos compete, essa semana que passou foi a celebração de mais um passo importantíssimo na construção desse país que precisamos reconstruir urgentemente. E uma sinalização necessária e extremamente bem humorada para expor o ridículo insano a que temos sido submetidos ultimamente pelo fanatismo petista.

 

Aliás, uma explicação se faz necessária e preciso assumir uma culpa. Embora não deseje pessoalmente o mal de ninguém, desejo o cidadão, Luiz Inácio Lula da Silva, preso, sim. Se desejar uma ínfima parte do castigo que alguém merece por seus crimes comprovados for pecado, então neste caso específico sou réu confesso e assumido. E, se tiver que pagar por tal “pecado”, fá-lo-ei com um sorriso nos lábios, com certeza. Quer saber por quê? Por dois motivos básicos: 1) pela capacidade e representatividade pessoal nociva que esse cidadão, já devidamente julgado e condenado em todas as instâncias – e seus sequazes – representa para o país e 2) pelo fanatismo messiânico, beirando o insano, que a figura pessoal desse cidadão desperta em seus seguidores. Simples assim e somente por isso. Por que se assim não fosse, a figura dele representaria em meu entender apenas mais um bandido canalha e corrupto que está recebendo a natural paga por seus crimes, como tantos outros iguais a ele.

 

Inclusive, quem sabe, talvez até como o cidadão que foi agora indiciado e que motivou este artigo. Mas isso ainda depende de julgamento. Vamos devagar com o andor que ainda existe Judiciário íntegro neste país e só a eles compete julgar.

 

Entrementes, o mero e óbvio indiciamento já é, com certeza, motivo pra muito folguedo. Então, enquanto o pau vai e vem folgam as costas e, como dizem os manezinhos de Floripa e a gauchada simples e braba dos pampas, a zoeira comeu solta nas redes: “eita lasqueira boa tchê”! Foi gostoso demais tirar um sarro da negada petista (hoje é dia de celebração: dá até pra fugir às amarras carrancudas dos termos politicamente corretos que nos tentam impor). E dá-lhe meme de partir o coco de tanto rir pelas redes! Lavou a alma, ultimamente atônita e indignada por ver tanta inversão e tantos comportamentos estapafúrdios, marginais, insanos e agressivos a que essa trupe de artistas comunistas e seus simpatizantes nos têm submetido. Enfim, foi de fato uma “lasqueira” só, digna das raízes sulistas da República de Curitiba, que, relembremos, está na origem e no epicentro de toda essa celebração de agora.


Faxina, faxina, faxina, faxina!.

 

Então, festeje e festeje muito, pois a vitória final se constituirá de pequenas vitórias e o momento é de festejar. Mas não se iluda e continue firme no batente, de olho no lance: tudo eles continuarão fazendo para levar avante seus reais objetivos. E não vão desistir nunca, enquanto não forem apeados e colocados definitivamente pra escanteio.

PAULO MONTEIRO