Café Literário Cronópios

Papagaios de papel
por Adriana Zapparoli






 

Novo projeto do site Cronópios explora o conceito de narrativa transmídia
por Egle Spinelli




O circo poético de Eliardo França e Iacyr Freitas
por Jorge Sanglard




Valor de uso, o novo livro de Marcelo Tápia
por da Redação




Prazer, Immaculada
por Ivone C. Benedetti




Encontro de Beatniks na Martins Fontes
por da Redação




Literatura da pesada
por da Redação




Canção do venerável [Bhagavadgita]
por da Redação




A palavra é febre
por Nelson de Oliveira




Stand-up Literatura estreia!
por TV Cronópios




Quando Vila Rica renasceu em Ouro Preto
por Rui Mourão




Poesia total
por Claudio Willer




Site Memórias da Literatura Infantil e Juvenil revela bastidor inédito da trajetória de autores, ilustradores e editores consagrados
por da Redação







 
04/05/2009 21:21:00
A palavra é febre



Por Nelson de Oliveira



Quem pegou o início desse fenômeno de comunicação que em pouco tempo se tornou a blogosfera sentiu em primeira mão um tipo diferente de febre. A febre da liberdade digital. Da democratização da palavra escrita.

Essa febre, essa excitação, essa compulsão é tão contagiante que, uma década depois, o número de blogues no ciberespaço tem crescido de forma exponencial. Atualmente existem perto de 140 milhões de blogues e cerca de 120 mil são criados diariamente (1,4 por segundo).

A maioria das pessoas utiliza os blogues como um diário pessoal, porém eles podem veicular qualquer tipo de conteúdo e ser usados para os mais diversos fins: artísticos, jornalísticos, científicos, políticos, religiosos, corporativos, comerciais etc. A blogosfera ampliou o mundo natural, social e mental.

Como eu disse, a palavra é febre. Muitos a amam, muitos a odeiam. É verdade: tem gente que passa várias horas diárias cultivando seu espaço virtual. Mas tem gente que detesta a cultura blogueira.

Além da possibilidade de interação quase instantânea com os visitantes, a grande diferença entre os blogues e a mídia tradicional, impressa, é a velocidade. Um artigo que levaria horas, dias ou semanas para ser publicado numa revista de papel pode estar disponível em poucos segundos para a leitura num blogue.

O critério usado na seleção dos blogueiros cujos posts compõem este livro foi o mais subjetivo possível: meu gosto pessoal. Por ser escritor, eu preferi ceder a essa inclinação e ficar na deliciosa esfera da crônica e da confissão literária.


Os vinte e um blogueiros convidados para participar desta antologia são todos escritores: onze veteranos de prestígio reconhecido, com livros já publicados, e dez bons estreantes a caminho do reconhecimento. A cada um deles eu pedi que selecionasse os melhores posts publicados nos respectivos blogues.

O resultado: dezenas de crônicas e confissões de escritores deliciosamente febris.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

      Blablablogue: crônicas & confissões
      (antologia de textos publicados em blogues)
      Organizador: Nelson de Oliveira (vários autores)
      Editora: Terracota, 160 páginas
       (consulte usando a ferramenta de busca de livros 
       da parceria Martins Fontes - Cronópios)
 
 
 

 

 

 

 

 

Nelson de Oliveira nasceu em 1966, em Guaíra (SP). É professor universitário, editor e autor dos livros Ódio sustenido (Língua Geral, 2007), Algum lugar em parte alguma (Record, 2006), A maldição do macho (Record, 2002) e Subsolo infinito (Companhia das Letras, 2000), entre outros. Dos prêmios que recebeu destacam-se o Casa de las Américas, o da Fundação Cultural da Bahia, duas vezes o da APCA e o da Fundação Biblioteca Nacional. Atualmente coordena, em diversas instituições, oficinas de criação literária para autores em início de carreira. E-mail: oliveira.e.cia@uol.com.br

  Licença Creative Commons

Publicações de um autor no Cronópios
Outras publicações de Nelson de Oliveira no Cronópios.