Café Literário Cronópios

Glauber Rocha – Crítico, espírito revolucionário e uma cabeça marginal
por Bruno Grossi






 

SHAKESPEARMEMORAÇÃO
por Augusto de Campos




Poemins
por Liliane Oraggio




Quadrinhos
por Omar Khouri




Desastres
por Bruno Moreira




É como quando temos que
por Julio Mendonça




Série Infância
por Pipol




Excertos de um Dicionário Poético da Loucura
por Jorge Elias Neto




Macacos me moldam
por Silas Corrêa Leite




A diferença do fogo
por Paulo Sposati Ortiz




Sólo una vez más / Só mais uma vez
por Uberto Stabile




Leia com Atenção!
por Luiz da Franca




O sonhador que colhe berinjelas na terra das flores murchas
por Junior Bellé







 
27/04/2005 16:50:00
Cinco poemas ontogóides



Por Luiz Guerra


[declaração de princípio]

 

 

aqui não se esfinge de poeta _

 

o desferir e alvejar do verso

 

se dá entre tensão e suspeitas

 

 

 

[oráculo]

 

 

amanhã saltou-me da gaveta

 

meu retrato de moça infinita,

 

que me olhava aflita,

 

tão bela

 

 

 

 

[insular]

 

 

hóspede de mim,

 

sou também o anfitrião

 

e o escanção de venenos

 

 


[improviso]

 

 

moeda especiosa a eternidade,

 

lastro de barro malcozido

 

soprado às pressas

 

 



[weltanschauung]

 

 

mitologias do menino —

 

janela e pedaço de cais —

 

alma-escafandro

 

sem respirações de história

 

 

Luiz Guerra é poeta e cronista carioca. E-mail: lyguerr@uol.com.br

  Licença Creative Commons

Publicações de um autor no Cronópios
Outras publicações de Luiz Guerra no Cronópios.