Café Literário Cronópios

Um poeta enorme (do tamanho incalculável de um abraço)
por Micheliny Verunschk






 

SHAKESPEARMEMORAÇÃO
por Augusto de Campos




Poemins
por Liliane Oraggio




Quadrinhos
por Omar Khouri




Desastres
por Bruno Moreira




É como quando temos que
por Julio Mendonça




Série Infância
por Pipol




Excertos de um Dicionário Poético da Loucura
por Jorge Elias Neto




Macacos me moldam
por Silas Corrêa Leite




A diferença do fogo
por Paulo Sposati Ortiz




Sólo una vez más / Só mais uma vez
por Uberto Stabile




Leia com Atenção!
por Luiz da Franca




O sonhador que colhe berinjelas na terra das flores murchas
por Junior Bellé







 
27/04/2005 16:50:00
Cinco poemas ontogóides



Por Luiz Guerra


[declaração de princípio]

 

 

aqui não se esfinge de poeta _

 

o desferir e alvejar do verso

 

se dá entre tensão e suspeitas

 

 

 

[oráculo]

 

 

amanhã saltou-me da gaveta

 

meu retrato de moça infinita,

 

que me olhava aflita,

 

tão bela

 

 

 

 

[insular]

 

 

hóspede de mim,

 

sou também o anfitrião

 

e o escanção de venenos

 

 


[improviso]

 

 

moeda especiosa a eternidade,

 

lastro de barro malcozido

 

soprado às pressas

 

 



[weltanschauung]

 

 

mitologias do menino —

 

janela e pedaço de cais —

 

alma-escafandro

 

sem respirações de história

 

 

Luiz Guerra é poeta e cronista carioca. E-mail: lyguerr@uol.com.br

  Licença Creative Commons

Publicações de um autor no Cronópios
Outras publicações de Luiz Guerra no Cronópios.