Café Literário Cronópios

Poesia digital
por Paulo Franchetti






 

(Re)nascimento
por Cristina Judar




Tragédia à paulista
por Pedro Brum




Cristóvão
por Roberto Dutra Jr.




Duas
por Leila Krüger




Sobre ataques do cão negro
por Oscar Nestarez




Virando Xifópagos Digitais
por Patrícia Dantas




Depois do céu
por Tere Tavares




O amor irreverente
por Udo Antônio Baingo




Neo Mourisca
por Marcelo Novaes




Café dos Antônios
por Cláudio Feldman




Uma lembrança para Godot
por Larissa Marques




Faro
por Silvana Guimarães







 
22/12/2011 20:53:00
O enfeitador de paredes



Por Tere Tavares


Resignação... que triste palavra!
E, no entanto, é o único refúgio que fica.
                                                                      Beethoven


Escondeu a inspiração sobre a túnica – sua musa, impossível de expulsar, tampouco se fazia adormecer. Caaba (nunca conseguira descobrir o motivo de haver herdado esse nome) não era, em absoluto, alguém que almejasse atingir “a neutralidade serena imparcial e objetiva”. Tampouco abdicava dos reflexos do espírito mesmo que não cessassem de serem difíceis.

No seu insólito julgamento, o surreal seria sempre o que ultrapassava o real sem desprezá-lo. Podia viver bem em qualquer parte, uma vez que não exigia muito do mundo.

Estava quase sempre cercado de sorrisos de papel, de amigos invisíveis, alguns bons, outros nem tanto, e outros ainda irremediavelmente distantes. Deixava-se prender sem ligar-se a ninguém.

Em suas viagens inenarráveis refletia sobre como deveria exercitar o esquecimento. Com o tempo percebeu não haver mais nada a ser esquecido. Desenvolvera uma simpatia indiferente, uma gentileza polida. Nunca superficial, hesitante, ou com ausência de pensamento. No olhar lânguido e suave encerrava uma atormentada bondade. Não a compreendia completamente embora lhe parecesse clara.

Procurava guardar o melhor possível de suas experiências, mesmo adivinhando o precipício final em que mergulharia o fruto do que, com toda dedicação, criava para a humanidade. Ter um trabalho que socorresse a todos, eis o mais nobre, o mais fácil, útil, e saudável a se fazer. Para a maioria das pessoas o que sobra da arte resulta em futilidades e desperdício de energia.

Sou um mero enfeitador de paredes” disse para si mesmo tendo a exata sensação de que em breve, muito em breve, seria ainda mais abandonado.

Chegou ao pequeno cômodo – era quase o nu descendo a escada – removeu os elos dourados do seu sagrado retiro. Pincéis de olhares envelhecidos, bisnagas de tinta misturadas à preguiça dos estojos, óleo de linhaça, solvente, giz. Como lhe era agradável a desordem olente dos materiais que remexia sempre com demorado encantamento.

Alguns quadros inacabados pareciam vigiar-lhe os mínimos movimentos. O pó lamentava a mobilidade do instante. Na mente de Caaba saltitavam todos os esboços que, por uma anônima metafísica, ainda não pudera exprimir. A exposição. O dia e hora marcados. “Que massacre trabalhar sob encomenda. Quem me dera ter à mão algo como “os comedores de batatas”. Monologava movendo-se na engenhosa rudez das superfícies – as paredes sabiam implorar como ninguém.

Lançaria mão do improviso para preencher o que não era possível abandonar.

Imaginando os céus que não existem, perambulou entre dois últimos presentes brancos – como talvez fosse quando se obrigava involuntariamente à ausência das cores.

Caaba ressuscitou um pouco a decisão de continuar vivendo contando com o que era: a alegria dos raros, o trevo de quatro folhas frágeis, o enfeitador de paredes. Ninguém é mais capaz que uma estrela que baixe do espaço sem querer. Não soube como evitar as lágrimas. Beijou a dor, a antiga construtora de sonhos – suas obras: únicos seres no mundo a esperá-lo.


                                                * * *

Tere Tavares é escritora e artista plástica. Autora de três livros publicados "Flor Essência" (2004), "Meus Outros" (2007) e "Entres as Águas (2011). É autora publicada na Contologia dos Novíssimos Autores da Literatura Brasileira, Portal Cronópios/Revista Arraia PajéurBR. Integra a Academia Cascavelense de Letras.
Edita o blog http://m-eusoutros.blogspot.com/ E-mail: t.teretavares@gmail.com

  Licença Creative Commons

Publicações de um autor no Cronópios
Outras publicações de Tere Tavares no Cronópios.