Café Literário Cronópios

Procedimentos
por Claudio Parreira






 

(Re)nascimento
por Cristina Judar




Tragédia à paulista
por Pedro Brum




Cristóvão
por Roberto Dutra Jr.




Duas
por Leila Krüger




Sobre ataques do cão negro
por Oscar Nestarez




Virando Xifópagos Digitais
por Patrícia Dantas




Depois do céu
por Tere Tavares




O amor irreverente
por Udo Antônio Baingo




Neo Mourisca
por Marcelo Novaes




Café dos Antônios
por Cláudio Feldman




Uma lembrança para Godot
por Larissa Marques




Faro
por Silvana Guimarães







 
26/03/2012 13:51:00
Pequeno fotograma em três atos



Por José Sérgio Custódio


ATO I - Em lá menor

Um carinho esquecido numa gaveta qualquer. Guitarras chorosas e meio bêbadas. Latas amassadas. Whisky derramado no carpete. Janelas vazias. Cama vazia em que me deito. Alma vazia com que me visto. Livros lidos e repetidos. Um poema decorado em segredo. Uma passagem só de ida. Daquela vez o beijo. Daquela vez o poema reescrito. Daquela vez o filme não visto. Reminiscências de vinho no fundo da taça. Semáforos solitários. Carros atropelados. Aquele passeio interrompido por uma chuva lírica. Aquele barco de papel naufragado na calçada. Blues ouvido no silêncio da noite. Ao fundo o retrato. As paredes nuas do corpo. A TV ligada solitária repetindo as mesmas notícias da noite. O fim de malas prontas no vagão da memória.




ATO II - O quadro

Ele estava dentro do quadro. Não podia acreditar, mas era verdade. Lá estava aquele vermelho que uivava, a casa que amanhecia constantemente. Era um sonho? Estava sonhando, não era possível estar dentro de um quadro, isso é absurdo pensou. Resolveu caminhar. Tentar fugir dali. Andava e andava, estava exausto e, no entanto não saíra do lugar. É um sonho, é isso, daqui a pouco eu acordo e tudo se resolve. Sim, já vou acordar, e então darei boas gargalhadas de tudo isso. No entanto, não acordava. Simplesmente estava dentro do quadro.




ATO III - A casa

Enviou flores, bombons, escreveu poemas e cartas de intenso amor. E nada. Deu uma volta pelo quarteirão. Motivo nenhum. Só para observar a casa mais de perto. E nada. Resolveu passar a noite ali mesmo na calçada, escondido por entre os arbustos. Seus olhos ardiam de tanto observar a casa. O que acontecera? Onde ela estava? Resolveu ir até lá. Tocou a campainha. Bateu palmas. Berrou a plenos pulmões o nome dela. E nada. Resolveu arrombar a porta. Entrou. Procurou e procurou pela imensa casa. Subiu aos quartos, foi à cozinha, à varanda. Não encontrou. A casa estava vazia. Não havia nada nela. Ninguém estava ali. Olhou pela janela e viu.






                                               * * *
 

José Sérgio Custódio é mestrando em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) E-mail: jsercustodio@yahoo.com.br

  Licença Creative Commons

Publicações de um autor no Cronópios
Outras publicações de José Sérgio Custódio no Cronópios.